Dicas


Algumas dicas para que o trabalho flua facilmente e você entenda melhor alguns detalhes:

 

Para impressão:

Damos saída a partir de arquivos digitais nos formatos .tif ou .jpg. Preferencialmente .tif na escala de cor RGB e com resolução de mínima de 100 dpi no tamanho final, sem interpolação.

– Por quê .tif?
O formato .tif não comprime o arquivo, garantindo uma fidelidade maior ao arquivo original. A desvantagem é que o arquivo fica mais pesado, o que pode dar problema na transmissão de dados por e-mail. Nesse caso, o .jpg seria o mais indicado para facilitar o envio do arquivo. Recomenda-se usar sempre a compressão 12 do .jpg.

– Por quê utilizar a escala de cor RGB e não CMYK?
A impressão de fotografia não é gráfica, e o espectro de cor do RGB é maior que o CMYK (usado em serviços de gráfica). Isso evita perda na quantidade de cores da imagem.

– Resolução
Existe um mito de que tudo que vai ser impresso tem que estar com resolução de 300 dpi. Isto foi difundido a partir da exigência de máquinas de impressão offset, usadas em gráficas. Nossos equipamentos, assim como tantas outras impressoras inkjet, não têm essa necessidade, pois imprime com resolução de 2880 lpi. O ideal é que a resolução não fique abaixo de 100 dpi no tamanho final, sem interpolação.

– LPI
A lineatura é a quantidade de pontos por cm ou pol linear. Quanto maior a lineatura menores serão os pontos (pois tem que caber mais pontos no mesmo espaço, 1 cm linear), e quanto maior a lineatura maior será a resolução da imagem impressa (desde que adequada ao tipo de papel, ao tipo de tinta e ao processo de impressão).

– O que é dpi?
“dpi” é a abreviação de “dots per inch”, que quer dizer pontos por polegada, em inglês.
Portanto, quanto mais pontos por polegada quadrada na imagem, melhor sua definição. Com poucos pontos por polegada a imagem fica com aspecto serrilhado ou “pixelado”, na linguagem técnica.

– Interpolação
Interpolação é um recurso que os programas gráficos apresentam, no sentido de criar, por meio de cálculos matemáticos, pontos (“dots” ou “pixels”) onde eles não existem.
A princípio isso daria uma “melhorada” na imagem, mas para equipamentos com alta precisão de leitura da imagem isso acaba dando um efeito de desfocado, prejudicial no resultado final. Recomendamos fortemente para que não se use esse recurso nas imagens a serem impressas em nossos equipamentos.

 

Para envio de arquivos com imagens:

– Você pode enviar os arquivos para nosso e-mail:
contato@estudiolupa.com.br
(Recomendamos que se limite a quantidade de dados transmitidos a 15MB por mensagem para não correr risco de falha no envio.)

Outras maneiras de nos enviar seus arquivos são via:
– Yousendit ou Rapidshare, ou outros sites semelhantes.
–  FTP

 

A escolha dos papéis:

– Gramatura: É a medida que se usa para classificar tipos de papel. É uma relação entre a sua espessura e o peso do material que o compõe. A gramatura de um papel é definida pelo peso de uma folha de 100 x 100 cm. Portanto, quando se diz que um determinado papel tem gramatura 180 gramas, significa que uma folha daquele papel medindo 100 x 100 cm pesará 180g. Tem papéis cuja composição os faz serem mais grossos porém mais leves que outros. A gramatura é uma referência para comparação, não quer dizer que quanto maior a gramatura melhor o papel, isso varia de acordo com cada resultado pretendido.

– Papel ideal para imprimir cor ou p/b: No processo de impressão por inkjet não existe essa diferença. Existem diversos tipos de papel que vão servir muito bem para imagens coloridas ou em preto e branco. É mais uma questão de gosto pessoal.

– Papel foto ou algodão: Mais uma vez, é uma questão de gosto. O papel fotográfico pode ser considerado mais tradicional e remete aos usados em processo fotográfico, à base de sais de prata. Os papéis algodão são mais novos e apresentam maior durabilidade, sendo mais utilizados em trabalhos artísticos, trabalhos que se destinam a venda como obra de arte, para coleções etc…

 

Manuseio das impressões:

Sempre manusear com mãos limpas ou luvas, para evitar que a gordura natural do corpo deixe marcas. Observar espaço suficiente para não ocorrer dobras ou vincos.

 

Conservação:

Armazenar as impressões em lugares lisos e livres de poeira, umidade e luz direta do sol.